Pesquisa: 73,4% dos argentinos acreditam que as moedas criptográficas protegerão melhor suas economias

Em meio a severos obstáculos econômicos e desvalorização da moeda, os argentinos apontaram as moedas criptográficas como a forma mais eficaz de proteger seus fundos.

Com a economia local continuando a sofrer e o peso argentino desvalorizando, mais de 73% dos participantes em uma pesquisa recente votaram que as moedas criptográficas são o mecanismo de poupança mais eficiente. Quase tantos responderam que investiram em pelo menos um ativo digital.

A economia argentina após os Lockdowns da COVID-19

O país sul-americano vinha sofrendo antes mesmo de o governo iniciar medidas extremas na tentativa de combater a ameaça pandêmica em expansão da COVID-19. A Argentina foi uma das primeiras nações da região a introduzir bloqueios em todo o país, o que levou a diminuir inicialmente o número de infectados.

Entretanto, com o passar do tempo, o número de casos confirmados de COVID-19 cresceu, mas a economia do país só piorou. Abril de 2020 apresentou uma queda de 26,4% em comparação com o mesmo mês do ano anterior no PIB bruto. Mesmo em maio, quando as medidas rigorosas foram afrouxadas, o percentual caiu 20,6.

Um relatório da Fundação do Banco Municipal exemplificou a escala real da dor para os cidadãos, pois estimou que para cada ponto de declínio do PIB, há uma diminuição de ponto e meio nos salários formais.

No entanto, no início desta semana, o país teve uma lufada de ar fresco, pois reestruturou com sucesso quase toda a sua dívida de 65 bilhões de dólares com credores privados. O ministro da economia da Argentina, Martin Guzman, anunciou que 99% dos credores aceitaram a oferta de estender os prazos de vencimento da dívida e de reduzir os pagamentos de juros de uma média de 7% para cerca de 3%.

O Presidente Alberto Fernandez desejou „nunca mais entrar neste labirinto (de endividamento)“, e observou que em 2030, a Argentina deverá 38 bilhões de dólares a menos do que em 2019.

A economia local empurra as pessoas para Crypto

Apesar das recentes notícias positivas, parece que os argentinos já estão procurando uma solução fora do espaço financeiro tradicional, de acordo com a pesquisa realizada pela popular troca de moedas criptográficas entre pares Paxful.

Lê-se que dos 1.113 participantes da pesquisa, 73,4% (ou 817 pessoas) votaram que „as moedas criptográficas são a forma mais eficaz de economizar e proteger seus fundos“. Suas respostas também indicaram que os argentinos tendem a se afastar da moeda local, já que o peso argentino perdeu quase 90% de seu valor em relação ao dólar americano somente nos últimos cinco anos.

70% dos pesquisados acrescentaram que tinham investido pelo menos uma vez em algum ativo digital citando como principal razão „a capacidade de fornecer um abrigo econômico contra a depreciação da moeda local devido à inflação“.

Quando perguntados sobre sua percepção em relação ao Bitcoin, em particular, os eleitores responderam que haviam comprado o BTC após avaliar seu potencial global e apontaram sua natureza descentralizada como um mérito significativo. 49% revelaram que o ativo poderia proporcionar maior segurança dentro de um sistema bancário que de outra forma seria tumultuado.

A gerente latino-americana da Paxful, Magdiela Rivas, destacou a crescente demanda dos argentinos por moedas criptográficas. A troca marcou um aumento de 37,5% no volume desde o início de 2020 e ainda mais após os bloqueios da COVID-19.

Outra troca de ativos digitais P2P, a LocalBitcoins, experimentou um aumento no volume de comércio de Bitcoin por parte dos argentinos. Segundo dados do coin.dance, o volume do BTC P2P atingiu um novo recorde no início de agosto, depois de expandir continuamente por semanas.